log in

Notícias

SIGA-NOS, Saiba tudo que acontece no Moto 1000 GP.

GP 600: Granado vence GP Lubrax e brasileiros alcançam estrangeiros na estatística

Largada da categoria GP 600 em Curitiba, com Lucas Bittencourt assumindo a liderança da corrida William Inácio Largada da categoria GP 600 em Curitiba, com Lucas Bittencourt assumindo a liderança da corrida

Campeão brasileiro de 2015 assume liderança isolada do ranking de vitórias da categoria. Santin conquista título da classe Evo

Oitava e última etapa do Moto 1000 GP em 2015, o GP Lubrax ofereceu neste domingo (29) ao público do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade a corrida mais disputada da categoria GP 600 na temporada. A vitória ao final de 16 voltas foi conquistada pelo paulista Eric Granado (foto), campeão antecipado pela GST Honda Mobil Super Moto. Foi sua sétima vitória na temporada, marca que o firma como recordista isolado da categoria.

O segundo colocado na etapa curitibana foi o argentino Juan Solorza, que largou da última posição e chegou a liderar a prova em sua segunda volta com a Yamaha da Solorza Competición. O pódio da etapa contou, ainda, com o paranaense Joelsu “Mitiko” Silva, que conquistou seu quarto troféu de 2015 e confirmou a conquista do vice-campeonato. Seu companheiro de equipe Lucas Bittencourt, quarto na corrida, fechou o campeonato em terceiro lugar.

A temporada de 2015 foi a quarta da GP 600 no Moto 1000 GP. O título de Granado foi o terceiro de um piloto brasileiro – o paulista André Veríssimo e o gaúcho Rafael Bertagnolli foram campeões em 2012 e 2013; no ano passado o campeão foi o uruguaio Maximiliano Gerardo. Em 32 corridas, a GP 600 teve 16 vitórias de pilotos brasileiros e outras 16 de estrangeiros, distribuídas entre os argentinos, com 11 conquistas, e uruguaios, com cinco.

“Foi uma temporada ótima, só tenho a agradecer à minha equipe, aos patrocinadores que me apoiaram e a todos os pilotos que competiram comigo no Moto 1000 GP”, atribuiu Granado, ainda sem definições quanto ao futuro imediato nas pistas. Mitiko comemorou o vice-campeonato. “Foi um ano muito difícil, sofri uma fratura na perna e ainda não tenho 100% da minha condição física. Foi uma temporada de pura superação”, definiu.

A Paulinho Superbikes, equipe de Mitiko, teve seus dois pilotos no pódio que acolheu os três primeiros colocados na classificação final do campeonato. “É o meu primeiro ano completo e estar nesse pódio é uma satisfação enorme para mim”, declarou Bittencourt. “Sou muito grato a todos da equipe e dedico a conquista ao meu pai”, atribuiu, citando Augusto Bittencourt, aniversariante do domingo, que acompanhou a corrida pela televisão em Cascavel, sua cidade.

Na GP 600 Evo, classe para pilotos que têm suas carreiras em fase de evolução buscando alcançar as principais séries da motovelocidade, o paulista Flávio Pavanelli conquistou sua quarta vitória consecutiva. O resultado não lhe foi suficiente para o título, conquistado pelo gaúcho Marciano Santin, quinto colocado entre os pilotos da classe. Santin foi campeão brasileiro três vezes na categoria 250cc, na fase anterior à implantação do Moto 1000 GP.

 

A CORRIDA

Pole position pela sétima vez no ano, Eric Granado não conseguiu partir quando a luz vermelha foi apagada, autorizando a largada. Lucas Bittencourt assumiu a liderança. O destaque na largada foi seu companheiro de equipe Joelsu Mitiko, 13º no grid, que assumiu a segunda posição. O argentino Juan Solorza, 14º no grid, completou a primeira volta em quarto lugar e assumiu a liderança na frenagem ao fim da reta dos boxes.

Granado, que caiu para a última posição com o problema na largada, era oitavo colocado no complemento da primeira volta. Bittencourt buscava uma aproximação em relação ao líder Solorza e acabou saindo da pista, caindo para o oitavo lugar. Granado era terceiro na segunda volta e pressionava o vice-líder Mitiko, a quem ultrapassou na quarta volta. Na passagem seguinte, o campeão superou Solorza na curva do Pinheirinho e assumiu a liderança.

Bittencourt, também cumprindo prova de recuperação, assumiu o quarto lugar na sétima volta, superando Laurentys também no Pinheirinho – estava a 12 segundos dos líderes. A abertura da oitava volta do GP Lubrax foi marcada pela volta de Solorza à liderança – Granado perdeu o ponto de frenagem ao fim da reta dos boxes e teve de diminuir bruscamente seu ritmo para evitar uma saída de pista, retornando à disputa em segundo lugar.

A volta de Granado à liderança, quando a corrida entrava na segunda metade, aconteceu em uma manobra bastante parecida com a de quatro voltas antes, assumindo a linha interna de traçado no Pinheirinho. O argentino não perdeu contato e ultrapassou o campeão na reta dos boxes. Granado retomou o comando superando o argentino ao fim da reta dos boxes na 11ª volta – após perder a posição, Solorza saiu da pista, sem perder posição.

O complemento da volta número 11 marcou a ultrapassagem de Flávio Pavanelli sobre Rafael Fiorese, com quem disputava o sexto lugar geral do GP Lubrax e a liderança da classe GP 600 Evo. O paranaense voltou ao comando da corrida logo em seguida, sendo superado definitivamente pelo paulista na 14ª volta. Pavanelli venceu pela quarta vez seguida e foi vice-campeão da Evo, cujo título foi conquistado pelo gaúcho Marciano Santin.

Granado recebeu a bandeirada final 14s525 à frente de Solorza. Mitiko completou a corrida empinando sua Kawasaki na reta dos boxes – o terceiro lugar confirmou seu vice-campeonato brasileiro. 

GP LUBRAX – CATEGORIA GP 600

(Resultado final em Curitiba após 16 voltas)

1º) Eric Granado (SP/Honda), GST Honda Mobil Super Moto, GP 600, 22min43s208

2º) Juan Solorza (ARG/Yamaha), Solorza Competicion, GP 600, a 14s525

3º) Joelsu Mitiko (PR/Kawasaki), Paulinho Superbikes, GP 600, a 24s318

4º) Lucas Bittencourt (PR/Kawasaki), Paulinho Superbikes, GP 600, a 38s222

5º) Sérgio Laurentys (SP/Honda), GST Honda Mobil Super Moto, GP 600, 48s977

6º) Flávio Pavanelli (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil/Usatec BSB Team, GP 600 Evo, a 52s076

7º) Rafael Fiorese (PR/Kawasaki), Moto 3 Racing Team, GP 600 Evo, a 52s806

8º) Marcus Trotta (SP/Yamaha), 2MT-PRT, GP 600, a 57s042

9º) Márcio Bortolini (PR/Honda), City Service BSB Motor Racing, GP 600 Evo, a 1min08s669

10º) Júlio Fortunato (SP/Kawasaki), Sport Plus Racing, GP 600 Evo, a 1 volta

11º) Marciano Santin (RS/Kawasaki), Santin Racing, GP 600 Evo, a 1 volta

12º) Marcos Fortunato (SP/Kawasaki), Sport Plus Racing, GP 600 Evo, a 1 volta

13º) Breno Pinto (AP/Yamaha), 2MT-PRT, GP 600 Evo, a 1 volta

14º) Sérgio Prates (SP/Kawasaki), JC Racing Team, GP 600 Evo, a 1 volta

15º) Érico Maison (PR/Kawasaki), Moto 3 Racing Team, GP 600 Evo, a 1 volta

NÃO COMPLETOU

Samara Andrade (SP/Kawasaki), Motonil Motors-PDV Brasil/Usatec BSB Team, GP 600 Evo, a 12 voltas

Melhor volta: Granado, na 12ª, 1min22s931, média de 160,398 km/h

CLASSIFICAÇÃO

A classificação final do campeonato, já computado o descarte obrigatório de um resultado por piloto, é: 1º) Eric Granado, 162 pontos; 2º) Joelsu Mitiko, 86; 3º) Lucas Bittencourt, 77; 4º) Sérgio Laurentys, 73; 5º) Juan Solorza, 65; 6º) Ian Testa, 62; 7º) Marciano Santin, 60; 8º) Alex Pires, 55; 9º) Flávio Pavanelli, 44; 10º) Matheus Oliveira, 36; 11º) Davi Costa e Márcio Bortolini, 33; 13º) Júlio Fortunato, 32; 14º) Marcelo Dias, 29; 15º) Marcus Trotta, 28.

As motocicletas do Campeonato Brasileiro de Motovelocidade utilizam a gasolina Petrobras Podium e o lubrificante Lubrax Tecno Moto. A Petrobras e a Lubrax patrocinam a competição ao lado da Michelin, que fornece seus pneus de competição a todas as equipes inscritas. O Moto 1000 GP também conta em 2015 com o apoio de Beta Ferramentas, MSR Macacões Personalizados, Puig, Servitec, LeoVince, Shoei e Tutto Moto.

Petrobras
Lubrax
Michelin
Beta
Servitec
Leo Vince
Shoei
Tutto
Puig
Top Line

Log in or crie uma conta